Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2018

ELEMENTAIS: o que seriam?

Imagem
Segundo o Comandante Edgard Armond, no seu Curso apostilado denominado Iniciação Espírita (vol. VII, 2ª. Parte, aula 77, Editora Aliança, 1978), no Capítulo denominado ‘Evolução Anímica’, tratando da escalada evolutiva do princípio espiritual e da evolução nas formas da matéria que servem àquele princípio, afirma que na Natureza existem “agentes invisíveis de categoria inferior” na hierarquia espiritual, que “colaboram no Plano Divino para a harmonia universal”.
A seguir, no contexto do ponto exposto, o autor denomina esses “agentes” segundo categorias: gnomos, ondinas, silfos e salamandras, aduzindo que são eles “colaboradores da maravilhosa obra divina, todos, como tudo, produto do infinito amor de Deus”, e complementa afirmando que “miríades de Espíritos, dos mais variados graus evolutivos, estão em constante trabalho”.
O Autor não explicita cada um desses “seres”, mas encontramos na literatura que se interessa pelo assunto que os ditos elementais foram concebidos originalmente pelo …

LÚCIFER: Anjo mau decaído?

LÚCIFER:Anjo mau decaído?
Em meio a uma aula do curso de Aprendizes do Evangelho, em um Centro Espírita da Capital, o expositor titubeou, contorceu explicações e concluiu respondendo ao questionamento de um aluno sobre quem era realmente Lúcifer: efetivamente era um anjo mau, um decaído.
Após o incidente a questão nos foi proposta, via correio eletrônico, e respondi.
Acho que--modestamente--o expositor acabou por misturar uma teoria desenvolvida por Kardec, até aceitável (e que deu origem ao gostoso Livro “Exilados da Capela”, do Comandante E. Armond), dos “ANJOS DECAÍDOS” com a alegoria dos antigos Profetas sobre um anjo ou demônio (daimon, que são a mesma coisa) do mal.
Vamos, em apertada síntese, o que há sobre o assunto:
Consta mesmo em Isaías, Cap. XIV, vers. 11 e seguintes: “Teu orgulho foi precipitado nos infernos; teu corpo morto baqueou por terra; tua cama verterá podridão, e vermes tua vestimenta. COMO CAÍSTE DO CÉU, LÚCIFER, tu que parecias tão brilhante ao romper do dia? C…